Turismo preparado para liderar crescimento do país

Presidente da APAVT aborda sector que "não é imune à crise"

O Presidente da Associação Portuguesa de Agentes de Viagens e Turismo (APAVT) disse hoje em Coimbra que o turismo "não é imune" à crise actual mas é dos sectores bem preparados para liderar o crescimento do país.

Em declarações à Agência Lusa à margem da apresentação do programa do 38º Congresso da APAVT, que começa quinta-feira em Coimbra, Pedro Costa Ferreira frisou que quer o turismo interno nacional quer o turismo proveniente de Espanha registaram "quebras importantes" no corrente ano.   

Para o turismo liderar o processo de crescimento "necessário ao país", o responsável da APAVT considerou "realmente importante qualificar a oferta e deixar de construir".   

Parar a construção de novos empreendimentos parece "uma evidência" para Pedro Costa Ferreira, argumentando que Portugal tem "excelentes condições" ao nível das infraestruturas hoteleiras.   

Apontou o Algarve onde as taxas de ocupação, hoje, são "infelizmente, bem menos importantes" do que há alguns anos, mas o problema não está na diminuição de turistas, disse.   

"Não existem menos turistas, existem até mais turistas, o que houve foi um crescimento de oferta muito maior do que a nossa capacidade de atracção de turistas", frisou Pedro Costa Ferreira.   

O responsável lembrou que para além de ter mudado o perfil do consumidor, mudou o "desenho mundial" do turismo, com o aparecimento de novos mercados como a China, Índia e, no caso português, o Brasil.

"São mercados que não são solução a curto prazo mas têm de ser acompanhados", defendeu.   

Para o responsável da APAVT, Portugal "tem de actuar em nichos de mercado de qualidade". "É um país pequeno e só será visível se vencer a batalha da qualidade", sublinhou.

Os trabalhos do 38º Congresso da APAVT começam quinta-feira, com um painel de oradores onde se incluem o secretário-geral da Organização Mundial de Turismo, Taleb Rifai e termina sábado.   

 
 

+A A -A

Brasil sempre a crescer

O número de turistas a chegar a Portugal cresceu globalmente 3,7%, de acordo com números de Agosto. O número dos turistas oriundos de Espanha quebrou 12%, o dos oriundos do mercado alemão subiu e do inglês manteve-se estável.   
"O mercado que cresceu mais foi o brasileiro, 12% e vai continuar a crescer", frisou Pedro Costa Ferreira. 
As viagens corporativas e empresariais também aumentaram, até pela necessidade das empresas procurarem novos mercados de exportação, tendo caído as viagens de lazer, quer ao nível do turismo interno (cinco por cento menos com recurso a agências de viagens, que também registaram quebras de cerca de dez por cento em volume de negócios) quer de Portugal para o exterior (menos 20 por cento) "devido à crise e ao menor rendimento disponível" das pessoas, frisou Pedro Costa Ferreira.