"Temos dificuldade em trabalhar juntos"

Turismo de Saúde e Bem-Estar só se desenvolve com articulação entre partners
A apresentação da Associação Portuguesa de Turismo de Saúde e Bem-Estar. FOTOS JOANA SOUSA/ASPRESS

 

É uma certeza do presidente da Associação Portuguesa de Saúde e Bem-Estar - APTSBE: "Existe a necessidade de articulação entre partnes privados e públicos do turismo de saúde e bem-estar, a que se devem juntar as unidades hoteleiras." João Viegas Fernandes falava, ontem, na apresentação da Associação, o que aconteceu no âmbito do seminário Turismo de Saúde e Bem-Estar, que hoje termina no Funchal.

Mas, diagnosticou o mesmo responsável da APTSBE, "temos um grande problema: partimos tarde e temos dificuldade em trabalhar em equipa."

João Viegas Fernandes refere-se ao facto de várias regiões turísticas portuguesas terem vindo a perder quota de mercado, na área de turismo referida, ao que não será alheia a posta fortíssima que destinos concorrentes fizeram. São exemplos Canárias, Andaluzia, Catalunha e países como a Tunísia e a Turquia.

A Associação, criada em Setembro passado, congrega pessoas de todas as regiões de turismo portuguesas e tem como objectivo primordial a promoção do desenvolvimento dos vários subprodutos do turismo de saúde e bem-estar: turismo médico; turismo estético, talassoterapia, termalismo, SPA, residências assistidas, wellness resorts, health e wellness centers.

Trata-se de uma entidade sem fins lucrativos, totalmente apartidária, garante o seu presidente.

Quando, na sexta-feira passada, começou o semiárido sobre Turismo de Saúde e Bem-Estar, a APTSBE tinha 50 sócios. Hoje tem 80, resultante das inscrições de madeirenses.

São essencialmente pessoas de SPA, das áreas da saúde e do ensino.

Os sócios podem ser de dois tipos: particulares ou institucionais.

Baixa participação
A participação no seminário ficou aquém daquela que a organização anteviu e desejou.

João Viegas Fernandes tem duas hipóteses de explicação para essa fraca adesão: pouca sensibilidade para a importância do tipo de turismo em causa, e o desacreditar dos tempos de crise. "As épocas de crise económica são também de crise de identidade e de valores. As pessoas desacreditaram que é possível fazer alguma coisa por este País".

O dirigente da Associação, entende que é exactamente ao contrário. Esta deve ser uma época de reunir forças e actuar no sentido de ultrapassar a crise.

Diz João Viegas Fernandes, que, do ponto de vista da associação, foi feito tudo o que poderia e deveria ser feito.

Comissão instaladora

  • A Comissão Instaladora da Associação Portuguesa de Turismo de Saúde e Bem-Estar é presidida João Viegas Fernandes (professor universitário e consultor);
  • Vice-presidentes: Aires Leal (médico); Diamantino Ribeiro (MMC); Elidério Viegas  (gestor hoteleiro); Luís Veiga (gestor hoteleiro); Manuel Pais Clemente (médico).
  • Integram ainda a comissão: António Freitas Batista; António Lúcio Batista; Isabel de Santiago; João Bacalhau; João Gomes Sanches (Meliã Madeira); João Lemos Baptista (Madeira); Paula Gomes Alves; Paulo Araújo.
     

Finalidades da Associação

  • Representar as empresas, as instituições e os profissionais que em Portugal desempenham actividades no âmbito do Turismo de Saúde e Bem-Estar: Turismo Médico, Turismo Estético, Talassoterapia, Termalismo, SPA's;
  • Contribuir para o desenvolvimento e para a melhoria da qualidade e segurança de todos os produtos de Turismo de Saúde e Bem-Estar, em Portugal;
  • Representar este sector turístico junto das entidades e das instituições públicas portuguesas;
  • Representar o sector português de Turismo de Saúde e Bem-Estar junto de associações congéneres estrangeiras;
  • Desenvolver uma network que articule os vários produtos de Turismo de Saúde e Bem-Estar em Portugal;
  • Criar sistemas de normalização e de certificação de qualidade e de segurança dos produtos de Turismo de Saúde e Bem-Estar em Portugal;
  • Incrementar a cooperação no âmbito do Turismo de Saúde e Bem-Estar entre todos os Países de Língua Oficial Portuguesa.

 

+A A -A