Associação de Promoção da Madeira aposta no mercado turístico polaco

A Associação de Promoção da Madeira (APM) aposta no relançamento do mercado polaco e retomou a rota a partir de Varsóvia em 18 de agosto, tendo por objetivo realizar dois voos semanais no inverno, foi hoje anunciado.

"A Madeira volta a receber turistas polacos, na sequência do levantamento das restrições de voos para Portugal, por parte do Governo polaco", informa a APM num comunicado divulgado sobre a "aposta no relançamento" do mercado deste país". 

No mesmo documento, indica que o operador turístico da Polónia ITAKA foi o primeiro a responder à decisão, retomando a ligação entre Varsóvia e o Funchal.

A APM acrescenta estar previsto que a TUI também faça o "lançamento da operação" com origem na capital polaca "a partir de 19 de setembro".

Esta associação recorda que "a autorização de voar para Portugal foi anunciada no dia 11 de agosto" e a operação da Polónia foi confirmada três dias depois.

No dia 18 de agosto chegaram os primeiros 180 turistas  oriundos de Varsóvia à Madeira, salienta, considerando que "a rapidez e sucesso de implementação" desta ligação "mostram o empenho e vontade de reativar este destino".

Por isso, visando fomentar ainda mais a abertura deste mercado, a associação apostou na promoção do destino Madeira na Polónia, através de vários meios, com material colocado na estação comboios Varsóvia, Katowice e Poznan e com recurso à divulgação online.

"Até outubro de 2020, está previsto que chegue à ilha um voo semanal", menciona a APM, complementando que o "objetivo é manter a rota de WAW (voos de baixo custo) no Inverno", apontando "estar em análise" o lançamento de "um outro voo a partir de Katowice, aumentando para dois voos semanais a partir da Polónia".

"Temos assistido a uma retoma das operações, mais lenta do que seria expectável dada a conjuntura internacional, mas em crescendo", declara o diretor executivo da APM, Nuno Vale no comunicado.

O responsável acrescenta que, em julho, cerca de "30% da operação aérea foi retomada" e que as perspetivas eram de atingir mais de 50% em setembro.

"A abertura dos mercados e a colocação de Portugal nos corredores verdes é essencial, como atesta o exemplo da Polónia", vinca Nuno Vale, salientando que logo que se registou a abertura ao turismo na Madeira, em 01 de julho, "as operações reiniciaram-se de imediato, com ótimas taxas de ocupação".

Por isso, assegurou que a Associação de Promoção da Madeira vai "continuar a apoiar os mercados internacionais quer no retomar das operações aéreas quer em garantir o reforço das taxas de ocupação."

Quando a Madeira "abriu as portas ao turismo", a resposta surgiu, primeiro, do mercado nacional, mas, desde o início de julho, a retoma estendeu-se a "11 mercados, sendo a Polónia o mais recente", destaca.

No entender do responsável da APM, este é "um marco importante, uma vez que, em 2019, a Polónia foi o sexto mercado emissor com maior número de passageiros para a Madeira (cerca de 43.000 turistas)".

Nuno Vale sublinhou que para esta situação de afirmar a Madeira como um destino turístico seguro tem contribuído para o empenho de várias entidades, de que é exemplo a operação de testes à covid-19 montada nos  aeroportos da Madeira para os passageiros à chegada, que permite dar o resultado em 72 horas.

A Madeira apresentava, nos últimos dados divulgados quinta-feira pelo Instituto de Administração de Saúde da região 36 casos ativos, num cumulativo de 154 situações confirmadas, 118 recuperados, sendo a única região do país sem registo de mortes devido ao novo coronavírus.

Em Portugal, morreram 1.815 pessoas das 57.074 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

 
+A A -A

Os mais...