APAVT realiza maior congresso de que há memória na Madeira

Foi apresentado esta tarde o congresso nacional da Associação Portuguesa de Agências de Viagem e Turismo (APAVT), no Savoy Palace, numa sala que lembrou “um ambiente de cruzeiro” ao presidente da instituição, Pedro Costa Ferreira, que preferiu, devido às eleições que se avizinham, não se alargar “em questões mais políticas”, ainda que fossem “políticas do sector”.

O presidente da APAVT mostrou-se muito optimista relativamente à adesão ao 45.º congresso, que decorrerá entre os dias 14 e 17 de Novembro, na Região, sob a temática ‘Turismo: Opções Estratégicas’.

“Estamos hoje com mais congressistas inscritos do que no último congresso dos Açores, que foi um recorde. Temos mais agências de viagens inscritas do que o nosso recorde conhecido e temos mais agentes de viagens do que o nosso recorde conhecido. Daqui a um mês e pouco vimos à Madeira realizar o maior congresso da APAVT dos últimos anos”, regozijou-se Pedro Costa Ferreira, que com esta iniciativa pretende, entre muitas outras coisas, “dinamizar a relação entre a procura interna e o destino Madeira”.

“Todos nós conhecemos a dinâmica da procura interna pelos destinos Madeira e Porto Santo, sendo que essa dinâmica da procura interna é hoje ainda mais importante, não apenas por factos que já são tradicionais, relacionados com a sazonalidade, mas principalmente pelo momento de tanta tensão e desafios para vencer aos mais diversos níveis, como nas procuras internacionais, desafios esses que vamos falar ao longo do congresso”, acrescentou o presidente da APAVT.

De 14 a 17 de Novembro, naquilo a que apelidou de “Região perfeita para se realizar um congresso da APAVT”, sobretudo “pelos números do turismo em termos brutos, pela importância desses números para o PIB da Região e ainda pela importância da procura interna para a realização desses números”, Pedro Costa Ferreira destacou que “não é fácil encontrar uma Região em Portugal que seja mais perfeita para realizar o congresso da APAVT” do que a Madeira.

Classificando o momento como “único” e que “serve de base para o congresso”, o presidente da APAVT relembrou que há um ano falou-se em fim de ciclo e “sem qualquer razão” houve quem ficasse “ofendido”.

“Sem razão por que era verdade que estávamos em fim de ciclo, o que nada quer dizer que algo de aterrador estava associado a esse fim de ciclo. Difícil era manter uma década de crescimento fantástico de renovação da oferta e de tremendo sucesso. O que nos importava há um ano era percebermos que vinha aí uma época com menores taxas de crescimento e com vários desafios a resolver. Por essa razão projectámos o início do fim de ciclo. Curiosamente um ano após o congresso toda a gente fala em fim de ciclo”, relembrou.

Ora, para este ano Pedro Costa Ferreira, em nome da associação, diz que pretende “contribuir para o desenhar, clarificar e editar do novo ciclo que aí vem que se caracteriza por, certamente, taxas de crescimento mais baixas do que as históricas recentes”.

“Temos de crescer com menos sazonalidade, mais território e mais diversidade de produto e procuras, sem nunca perder a autenticidade. E isto é muito verdade para a Madeira e acrescentamos mais desafios importantes, nomeadamente, com as questões relacionadas com as acessibilidades e, no meio das acessibilidades, as questões relacionadas com as falências das companhias aéreas”, avançou Pedro Costa Ferreira, incluindo nesta equação, igualmente, o “crescimento da oferta, que nem sempre são más notícias”.

Para além de tudo isto, a APAVT encomendou um estudo a Augusto Mateus, ex-ministro da Economia, onde se poderá constatar qual a “abordagem estratégica que deve ser feita ao turismo para a próxima década”, abordagem essa que “certamente obrigará a que o turismo volte a encontrar Portugal, mas sobretudo, e mais importante, que Portugal volte a encontrar o turismo”. E esse mesmo estudo será entregue aos próximos governos, tanto regional, como legislativo.

Pedro Costa Ferreira indicou ainda que haverá, em Novembro, uma “excelente interacção com a cidade do Funchal”, isto porque mais de 600 agentes de viagens vão “aprender mais sobre a nova modernidade da oferta turística madeirense”, não excluindo “a própria população do Funchal”, que “vai perceber que estará cá um congresso de grande dimensão”.

“Na abertura haverá o tradicional olhar multidisciplinar que a APAVT sempre defendeu, portanto, estará cá Daniel Traça, reitor da Nova School of Business and Economics, e Johnson Semedo, que dará uma prelecção sobre superação, capacidade humana e regeneração. “Iremos da macroeconomia às pessoas. É um óptimo caminho, porque por detrás dos números e empresas é bom que não nos esqueçamos que existem as pessoas. Queremos vincar isso mesmo”, reforçou Pedro Costa Ferreira.

Madeira recebe grande congresso em 2021

A secretária regional do Turismo e Cultura, Paula Cabaço, olhou para este evento e parceria “com muita satisfação”, algo que “já vem sendo trabalhado há vários e longos meses”.

“É para nós, de facto, uma iniciativa de enorme importância. Trazer à Madeira cerca de 600 agentes de viagens tem para nós um impacto a vários níveis. Trata-se de uma oportunidade para posicionar a Madeira como local privilegiado para a realização de grandes eventos ligados à área dos grandes congressos, portanto, uma oportunidade para mostrar as infra-estruturas que a Madeira tem a nível hoteleiro, que permitem receber eventos, a qualidade dos serviços que são prestados e um sinal da notoriedade do próprio destino”, vincou Paula Cabaço sobre a oportunidade de estarmos “a falar de profissionais que estão muito próximos do consumidor final e que funcionam como prescritores do destino”.

“Continuamos a trabalhar nesta área e temos previsto, para 2021, a realização de um grande congresso dos agentes de viagens ingleses, da ‘ADVANTAGE’, que trará 500 profissionais à Madeira, e estamos também a fazer candidaturas, nesta área, para outros eventos”, anunciou ainda a governante.

+A A -A