Mais dormidas mas menos proveitos em Março no alojamento turístico na Madeira

Estatísticas continuam a revelar crescimento no alojamento local que compensa as perdas na hotelaria

"As primeiras estimativas relativas ao mês de Março de 2019 apontam para um ligeiro acréscimo nas dormidas no conjunto do alojamento turístico da RAM, com uma variação homóloga de +1,0% nas dormidas, contrariamente aos proveitos totais e de aposento, que apresentaram quebras de -5,1% e -4,4%", começa por noticiar a Direcção Regional de Estatística da Madeira (DREM, no balanço do turismo referente ao terceiro mês e do 1.º trimestre do ano em curso.

"De sublinhar que excluindo o alojamento local de menor dimensão (com menos de 10 camas), as dormidas apresentam uma diminuição de 0,6% em termos homólogos", acrescenta. "No país, as dormidas decresceram 0,2%, enquanto os proveitos totais e de aposento apresentaram, pela mesma ordem, variações de +3,1% e +1,4%".

Já o total de dormidas do alojamento turístico na RAM no mês em referência (considerando a totalidade do alojamento local) "rondou os 651,7 milhares enquanto os proveitos totais e de aposento atingiram os 32,3 e 21,5 milhões de euros, respectivamente", dá nota. "A hotelaria concentrou 83,3% das dormidas, decrescendo 0,7% em termos homólogos, enquanto o alojamento local registou um incremento de 10,7% nas dormidas, representando 14,8% do total. Por sua vez, o turismo no espaço rural e de habitação, responsável por 1,9% do total, teve +3,1% de dormidas face ao mesmo mês do ano passado", aponta, revelando que estes dois segmentos (alojamento local e turismo rural) continuam a ajudar nestas contas, compensando as perdas da hotelaria.

Quanto aos mercados tradicionais do alojamento turístico, "verificaram-se decréscimos nos mercados alemão, francês e britânico com variações de -9,3%, -1,5% e de -0,5% face a Março de 2018, respectivamente. O mercado nacional cresceu 9,5%", sendo os turistas vindos sobretudo do continente a fazer 'contra-peso' para impedir maiores perdas nas dormidas.

Acumulado do 1.º trimestre em perda e outros valores

"Em termos acumulados (Janeiro a Março), as dormidas no alojamento turístico diminuíram 0,6%, enquanto os proveitos totais e de aposento apresentaram quebras de 4,5% e 3,0%, respectivamente", frisa a DREM.

No que toca à taxa de ocupação-cama do alojamento turístico no mês em referência "fixou-se em 57,9%, 2,6 pontos percentuais abaixo do observado em Março de 2018, mas mantendo-se como a mais elevada entre as regiões NUTS II portuguesas. Por sua vez, a taxa de ocupação-quarto atingiu os 64,4%", aponta um ponto positivo nestes indicadores.

No entanto, "destaque ainda para o decréscimo homólogo no rendimento médio por quarto (RevPAR) no alojamento turístico em 7,9%, para 43,38€. O sector da hotelaria evidenciou uma quebra de 8,2% em Março de 2019, apresentando um RevPAR de 47,32 euros", afiança.

Golfe a crescer

"O inquérito aos campos de golfe revela a realização de 22.770 voltas nos três campos de golfe da RAM entre Janeiro e Março de 2019 (+4,6% que no período homólogo), tendo esta actividade gerado cerca de 954,3 mil euros de receitas", refere neste indicador em particular, sendo que 77,9% das voltas foram realizadas por não sócios, provenientes na sua maioria dos Países Nórdicos, Alemanha e Reino Unido". E acrescenta: "Os estabelecimentos hoteleiros e afins venderam 60,7% das voltas, os operadores turísticos 25% e os restantes 14,2% foram transacionados pelos próprios campos de golfe."

Mais passageiros em trânsito nos navios de cruzeiro

Positivo também está o sector dos cruzeiros, tal como já havíamos noticiado. "De acordo com os dados fornecidos pela Administração dos Portos da RAM, no 1.º trimestre deste ano foram contabilizados 208.402 passageiros em trânsito em navios de cruzeiro nos portos da RAM, +14,1% que no período homólogo, tendo o número de escalas igualmente aumentado em 3,4% (mais 3 navios que no 1.º trimestre de 2018, perfazendo um total de 92)", conclui a DREM.

+A A -A