Dormidas na Madeira caem 2,1% em Setembro e diminuem 1% no acumulado desde Janeiro

Os números foram divulgados esta manhã pela Direcção Regional de Estatística. A nível nacional

As primeiras estimativas da atividade turística (inclui hotéis e relacionados, incluindo Alojamento Local e Turismo Rural) na Região Autónoma da Madeira relativas ao mês de setembro de 2018 apontam para um decréscimo de 2,1% das dormidas no alojamento turístico, em comparação com o mês homólogo. Em termos absolutos, foram registadas na RAM cerca de 803,7 milhares de dormidas no mês em referência.

Estes dados divulgados pela Direcção Regional de Estatística mostram que de janeiro a setembro de 2018, esta variável registou uma redução de 1,0% comparativamente ao período homólogo. As dormidas da hotelaria (85,3% do total do alojamento turístico) apresentaram em setembro de 2018 um decréscimo de 3,5%, com realce para as quebras apresentadas nos hotéis-apartamentos (três estrelas) e nos hotéis (quatro e cinco estrelas). Em termos acumulados, foram contabilizadas 5 503,5 milhares de dormidas (-2,7% comparativamente ao período homólogo).

Estes números são, por assim dizer, amenizados pelo desempenho menos negativo do Alojamento Local, uma vez que os dados nacionais apontam para decréscimo de 3,8% em Setembro quando tidos em conta apenas as unidades hoteleiras e de -3,9% entre Janeiro e Setembro, sendo que no primeiro caso a diminuição é apenas inferior ao desempenho da região Centro (-8,7%), com a média nacional a baixar 1,3%, e no segundo caso, os valores acumulados do ano mostram a Madeira como líder nas quebras das dormidas, seguinda de perto pela mesma região Centro (-3,5%), enquanto a média nacional baixou ligeriamente (-0,5%).

Segundo os dados para o país, divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (que continua a contabilizar apenas os hotéis), estes estabelecimentos e os seus similares registaram 2,2 milhões de hóspedes e 6,2 milhões de dormidas em setembro de 2018, correspondendo a variações1 de +0,2% e -1,3%, respetivamente (+1,0% e -1,3% em agosto, pela mesma ordem). As dormidas de residentes aceleraram e registaram um crescimento de 9,0%, enquanto as de não residentes diminuíram 4,9% (+5,6% e -4,7% em agosto, respetivamente). No 3º trimestre de 2018 as dormidas de residentes aumentaram 5,4% (-0,2% no 2ºT e +10,6% no 1ºT) e as de não residentes diminuíram 4,7% (-4,3% no 2ºT e +6,0% no 1ºT). Em setembro, a estada média (2,78 noites) reduziu-se 1,5% (+3,1% nos residentes e -2,2% nos não residentes). A taxa-líquida de ocupação-cama (63,2%) recuou 1,6 p.p. (-1,5 p.p. no mês precedente). 

Os proveitos desaceleraram, tendo no total apresentado um crescimento de 1,2% (+3,6% em agosto) e atingido 420,2 milhões de euros. Os proveitos de aposento cresceram 2,7% (+3,7% em agosto), ascendendo a 314,1 milhões de euros.

No caso da hotelaria na Madeira, a estada média aumentou 2,1% de 5,43 noites para 5,54 noites entre Setembro do ano passado e o deste ano, embora a taxa líquida de ocupação-cama tenha diminuido 2,7% de 78,4% há um ano para 75,8%.

Ainda assim, as unidades hoteleiras tiveram ainda resultados psitivos, uma vez que os proveitos totais continuaram a aumentar, embora ligeiramente (+0,7%) de 40,9 milhões de euros em Setembro do ano passado para 41,2 milhões em Setembro deste ano, o mesmo acontecendo com os proveitos de aposento (+0,8%) de 26,2 para 26,4 milhões de euros. E isso é notório pelo rendimento por quarto disponível na RAM, que cresceu muito ligeriamente de 59,2 euros para 59,3 euros.

Leia mais na edição de amanhã do DIÁRIO.

+A A -A