Ilha filipina de Boracay é encerrada aos turistas devido à poluição

As autoridades Filipinas fecharam hoje, por seis meses, a ilha mais popular do arquipélago, vítima do turismo de massa e que a tornou numa "fossa séptica", segundo o Presidente Rodrigo Duterte. 

Boracay, uma ilha paradisíaca com águas outrora cristalinas, está a sofrer com a repercussão do desenvolvimento acelerado. 

O seu polémico encerramento visa a limpeza do local e, em particular, a construção de estações de tratamento de esgotos.

A Guarda Costeira está a patrulhar as águas e cerca de 600 polícias fortemente armados colocaram-se nos pontos de entrada da pequena ilha. 

Segundo o chefe de polícia regional, Cesar Binag, o encerramento entrou em vigor à meia-noite. 

Os turistas não tiveram acesso à balsa, que é o principal meio de chegar à ilha de dez quilómetros quadrados, que fica a 300 quilómetros ao sul de Manila.

"Boracay está oficialmente fechada para turistas. Nós não fechamos os estabelecimentos, mas os turistas não podem entrar. Estamos a implementar a decisão do Presidente", disse Binag.

Um representante do Ministério do Interior filipino, Epimaco Densing, disse à agência de notícias AFP que a mobilização das forças de segurança era "apenas parte dos preparativos para evitar o pior".

O Presidente Duterte ordenou o encerramento no início deste mês, depois de chamar a ilha de "fossa séptica", acusando hotéis e bares de despejar os seus esgotos diretamente no mar.

De acordo com o Ministério do Meio Ambiente filipino, grande parte dos estabelecimentos da ilha não tem sistemas de esgotos.

Apenas os cerca de 30.000 habitantes da ilha poderão embarcar em ferries que servem Boracay durante este período.

A polícia começou a patrulhar as praias para impor o regulamento, proibindo os banhos no mar fora de uma área específica designada para esse fim.

Os barcos estão proibidos de navegar a menos de três quilómetros da costa e apenas os habitantes podem pescar.

 
+A A -A