Hotelaria na Madeira com o mais fraco crescimento no país

Apesar das dormidas terem aumentado apenas 1,1%, os proveitos totais cresceram 10,3% e os de aposento 8%
A hotelaria nacional registou 1,2 milhões de hóspedes e 2,9 milhões de dormidas em Fevereiro de 2018, correspondendo a crescimentos homólogos de 6,5% e 6,2%, acelerando face a Janeiro (3,7% e 4,9%, respectivamente), segundo o INE. A Madeira foi  a região que menos cresceu em termos de dormidas, apenas 1,1%, embora os proveitos totais e de aposento tenham disparado 10,3% e 8% respectivamente. Continua a Madeira a ter também o segundo melhor rendimento por quarto disponível (RevPAR), 42,7 euros ou mais 2,1 euros do que em Fevereito de 2017, só superado por Lisboa. Continua contudo a ser a região com a melhor estada média (de 5,47 noites para 5,56 noites, aumentando 1,6%) e a melhora taxa líquida de ocupação-cama, embora diminuindo 1,9% de 63,2% para 61,9%. Sobre as dormidas, registaram-se no mês em causa 489,1 mil dormidas (+1,1% quando a média nacional foi de +6,2%) e no acumulado de Janeiro e Fevereiro deste ano já são quase um milhão de dormidas (961,5 mil), o que resulta num crescimento homólogo de 2,6%. De acordo com os dados sobre a Atividade Turística, produzidos pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), as dormidas do mercado interno cresceram 7,6% (5,6% em janeiro) e as dos mercados externos aumentaram 5,6% (4,6% em janeiro). A estada média (2,56 noites) reduziu-se 0,3% (superior em 2% no caso dos residentes e menos 1,6% nos não residentes).  A taxa líquida de ocupação-cama (37,2%) aumentou 1,8 pontos percentuais.  Segundo o INE, os proveitos desaceleraram ligeiramente, tendo no total apresentado um crescimento de 11,6% (12,1% em janeiro), alcançando os 152,7 milhões de euros.  Os proveitos de aposento aumentaram 12% (mais 13,6% em janeiro) e ascenderam a 106 milhões de euros. Segundo os dados divulgados, em termos de mercados emissores, os mercados norte-americano e sueco apresentaram "crescimentos expressivos", com 30,4%, seguido do brasileiro (28,6%) e italiano (21,3%).   O mercado britânico (com 19,2% do total das dormidas de não residentes) recuou 5% em fevereiro e o alemão (14,8% do total) aumentou 4,4%, recuperando de -0,2% em janeiro.  O mercado espanhol (9% do total) cresceu 2,3% em fevereiro, enquanto o francês (8,4% do total).   Já as dormidas de hóspedes dos Países Baixos continuaram em redução (7,0%), tendência que se mantém desde abril de 2017, segundo o INE. As dormidas cresceram em todas as regiões do país, com destaque para o Alentejo (10,6%), Açores (9,9%) e Norte (9,7%).  As regiões de Lisboa e do Algarve captaram 29,9% e 23,7% das dormidas totais, respetivamente.  Neste mês houve um incremento de 171,8 mil dormidas (face a igual mês do ano anterior), do qual 43,6% foi proveniente da Área Metropolitana de Lisboa (74,9 mil dormidas adicionais) e 22% do Norte (acréscimo de 37,7 mil dormidas). 
+A A -A

Os mais...