Greve das empresas de segurança nos aeroportos sem impacto na operação

A greve dos trabalhadores das empresas de segurança privada que fazem os procedimentos de controlo de segurança nos aeroportos do país, que termina hoje às 23:59, não tem afetado a operação, segundo a gestora destas infraestruturas.

A agência Lusa contactou por diversas vezes o Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (SITAVA), que convocou o protesto para exigir melhores condições laborais, mas não conseguiu obter um balanço da paralisação.

Numa resposta escrita enviada esta noite à Lusa, fonte oficial da ANA - Aeroportos de Portugal indica que “a greve não tem prejudicado as operações, que têm decorrido dentro da normalidade”.

Os trabalhadores da segurança privada dos aeroportos - das empresas Prosegur e Securitas – estão em greve desde a véspera de Natal.

Em declarações à Lusa no sábado, o sindicalista Paulo Alexandre do SITAVA disse que a paralisação poderia causar “atrasos nos voos e até cancelamentos”.

Paulo Alexandre afirmou à Lusa que a principal reivindicação é a assinatura do Contrato Coletivo de Trabalho para estas empresas, “que já deveria ter sido aceite” pela Associação de Empresas de Segurança (AES).

“O Governo fez uma proposta, visto que a AES não aceitou as condições propostas pelo SITAVA. O próprio Estado redigiu um contrato e tentou fazer com que a AES aceitasse o contrato. Da parte do SITAVA não houve problema, mas a AES continua intransigente em relação a isso e (…) vamos fazer a greve”, explicou o sindicalista.

Na resposta hoje enviada à Lusa, a ANA reitera os conselhos já dados aos passageiros, nomeadamente “chegarem com maior antecedência aos aeroportos e privilegiarem o transporte de bagagens no porão em detrimento da bagagem de mão”.

 

 

+A A -A

Os mais...